Thursday, July 13, 2006

Sedentarismo, o Mal do Século?

Henrique Vilas Boas ROSA

Hoje em dia fala-se muito em tecnologia, sedentarismo, qualidade de vida, bem-estar, mas será que sabemos o que é isto? Onde eu me encaixo nisso tudo? Como fazer para não ser sedentário e ter melhor qualidade de vida? Essas e outras perguntas perambulam em conversas cotidianas...

Segundo a Organização Mundial da Saúde: “O sedentarismo vem crescendo de forma alarmante no mundo inteiro, deixando de ser uma preocupação meramente estética para se transformar num problema grave de saúde publica, numa epidemia global”.

O sedentarismo nada mais é do que a lei do menor esforço, ou seja, usar a escada rolante, usar o elevador, andar de carro e, principalmente, a falta de exercício físico.

Com o sedentarismo vem a obesidade pelo fato de não ocorrer um gasto calórico positivo, pois ingere-se muita caloria e gasta-se quase nada e para combater este mal que vem assombrando a população se faz necessário uma reeducação de hábitos do dia-a-dia.

De acordo com o trabalho realizado pelo Laboratório de Performance Humana do Departamento de Saúde Pública da Califórnia, que mostrou a relação entre hábitos saudáveis e qualidade de vida,os Homens poderiam adicionar onze anos de vida e as Mulheres sete anos seguindo seis destes sete hábitos :

 exercício físico regular;
 sono adequado;
 um bom pequeno almoço;
 refeições regulares;
 controle de peso;
 abstinência de cigarros e drogas;
 abstinência ou uso moderado de álcool;

Com todo esse processo sedentário pelo qual a humanidade vem passando pode–se dizer que a obesidade é a marca registrada da civilização.

A obesidade ocorre por dois fatores: inatividade física e em relação a quantidade e a qualidade do que se come, o que acaba gerando um desequilíbrio na balança da ingestão e gasto calórico.

Com este aumento progressivo de peso corporal, pode vir a ocorrer algumas outras enfermidades, tais como: contaminações por fungos nas dobras cutâneas; algumas limitações de movimento; acentuada sobrecarga na coluna e membros inferiores; varizes; hipertensão arterial; doenças cardiovasculares; doenças cérebro-vasculares; diabetes mellitos tipo II; câncer; osteoartrite entre outras (VILAS BOAS, 2005).

O tratamento da obesidade envolve alguns fatores essências, como: reeducação alimentar, aumento da atividade física e cuidados médicos.

No caso das atividades físicas ou exercícios físicos tem-se um fator muito importante: a individualidade biológica, pois cada indivíduo responderá biologicamente diferente no que diz respeito à escolha da atividade; pois proporcionando prazer fica mais fácil atingir o objetivo prescrito pelo profissional capacitado.

Contudo fica claro que permanecer “parado” não traz qualquer tipo de beneficio à saúde, muito pelo contrário, contribui para um processo degenerativo da saúde.

Por isso existem inúmeros meios e métodos para combater este mal que vem rondando a civilização e com o auxílio de profissionais especializados isso tudo ficou mais fácil e seguro de se combater.

Portanto, escolha o exercício físico ou a modalidade esportiva que mais lhe agrade e mais lhe proporcione prazer e vá à luta por uma vida mais saudável!

REFERÊNCIAS

BISCOLO.V.A.F. Sedentarismo. Disponível em: http://www.faverobisquolo.hpg.ig.com.br/exercicioesaude/sedentarismo.htm. Acesso em 12/12/2004.

Despertai! A obesidade é realmente um problema? 2004.v.85, p.3.

Equipe ABC da saúde. Obesidade. Disponível em: http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?303. Acesso em 03/01/2005.

FARINATTI, Paulo de Tarso Veras. Educação Física Versus Mal do Século. Rev.E.F. ano V, nº 16, junho 2005.

FENAG. A falta de exercício mata o coração. Disponível em: http://www.fenag.org.br/paginas/atualidade.html. Acesso em 12/12/2004

FOLHA On Line. Sedentarismo custa R$ 93,7 mi a SP. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u2845.shtml. Acesso em 12/12/2004.

LEAL.Cassiano Noimann, PAMPANELLI.Hálex Brasco. Obesidade - por que se livrar desse mal? Disponível em: http://www.planeta.terra.com.br/educacao/cnleal/ob.htm. Acesso em 03/01/2005.

MARRA, César Augusto Calembo. Atividade Física e Obesidade. Rev.E.F. ano V, nº 16, junho 2005.

NETO.T.L.B. Sedentarismo. Disponível em: http://emedix.com.br/doe/mes001_1f_sedentarismo.php#texto1. Acesso em 12/12/2004.

PROGRAMA Agita São Paulo. Agita São Paulo nos 500 anos do descobrimento. Disponível em: http://www.agitasp.com.br/500anos.asp. Acesso em 12/12/2004.

READAÇÃO DIÁRIO DA SERRA. Sedentarismo e falta de postura levam jovens e adolescentes mais cedo para os consultórios médicos. Disponível em: http://www.diariodaserra.com.br/showgeral.asp?codigo=816582004 Acesso em 12/12/2004.

REVISTA Época. Saúde e Fitness - Cruzada contra o sedentarismo. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT808243-1880,00.html. Acesso em 12/12/2004.

ROSA, Henrique Vilas Boas. Saúde e qualidade de vida através do exercício resistido. (MONOGRAFIA). 2004.

ROSA, Henrique Vilas Boas. Solucionando a Obesidade. Disponível em: http://www.fisiculturismo.com.br/artigo.php?id=192&titulo=Solucionando+a+Obesidade.html .Acesso em 23/08/2005.

ROSA, Henrique Vilas Boas. Problemas causados pelo sedentarismo. Disponível em: http://www.fisiculturismo.com.br/artigo.php?id=191&titulo=Problemas+Causados+pelo+Sedentarismo.html Acesso em 23/08/2005.

SANTAREM. José Maria. Promoção da saúde do idoso: a importância da atividade física. Disponível em: http://www.saudetotal.com/saude/musvida/idoso.htm. Acesso em 04/08/2002.

SANTAREM. José Maria. Atualização em Exercícios Resistidos: Saúde e Qualidade de Vida.Disponível em: http://www.saudetotal.com/saude/musvida/musvida.htm Acesso em 02/09/2001.

UCHIDA, Marco Carlos et al. Nutrição para hipertrofia muscular. In: Manual de musculação. 2 ed. São Paulo: Phorte, 2004. cap. 8.

0 Comments:

Post a Comment

<< Home